25/08/2015 16:28 - Atualizado em 25/08/2015 16:28

Secretaria Estadual de Saúde alerta para baixa procura pela vacina contra o HPV 

Até o momento, Rio de Janeiro imunizou somente 43,5% do público alvo

Estado - Pouco mais de um ano após entrar para o calendário obrigatório do Ministério da Saúde, a vacina contra o HPV registra baixos índices de procura. Até ontem, dia 24 de agosto, o estado do Rio imunizou apenas 43,51% do público-alvo, as meninas de 9 a 11 anos. Alguns municípios fluminenses ainda não alcançaram nem 20% de cobertura vacinal. Já a média nacional registrou 49,63%. O Ministério da Saúde tem como meta vacinar 80% das meninas dentro desta faixa etária.

  O subsecretário de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde RJ, Alexandre Chieppe, explica que a baixa procura pela vacina se deve ao fato do HPV, o Papilomavírus Humano, ser sexualmente transmissível e à idade do público-alvo, mais difícil de ser convencido a ir ao posto de saúde. Ele acrescenta que a imunidade a longo prazo só é garantida se as três doses da vacina forem tomadas.   

  “Um dos grandes desafios que enfrentamos é que o HPV é uma doença sexualmente transmissível e as pessoas não se sentem vulneráveis, ainda acreditam que esta é uma realidade muito distante. Por isso, muitas não procuram os postos de saúde para se vacinar. É fundamental que as pessoas tomem as três doses: a segunda seis meses após a primeira, e a terceira dose cinco anos depois”, destaca Chieppe.

  Em março de 2014, a vacina contra o HPV foi disponibilizada gratuitamente nos postos de saúde pelo Ministério. No mesmo ano, foram vacinadas 5 milhões de meninas de 11 a 13 anos.

  “A incorporação da vacina contra o HPV ao calendário obrigatório fez com que ela pudesse ser encontrada durante todo o ano nos postos de saúde, não apenas em um período específico como em campanhas. A vacina é uma das formas mais eficazes de proteção contra o vírus e o câncer de colo de útero”, afirma Chieppe.

  Em 2015, passaram a ser vacinadas meninas de 9 a 11 anos. A escolha da faixa etária foi definida com base em estudos que mostram que a vacina tem maior eficácia se for administrada em adolescentes que ainda não foram expostas ao vírus, pois, nessa idade, há maior produção de anticorpos contra o HPV que estão incluídos na vacina.

  A vacina contra HPV é segura e recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para prevenção do câncer do colo do útero - terceiro tipo mais frequente na população feminina e terceira causa de morte de mulheres por câncer no Brasil. A vacinação é utilizada como estratégia de saúde pública em outros 51 países, que já realizaram a imunização de mais de 175 milhões de doses desde 2006, sem registros de eventos que pudessem pôr em dúvida a segurança da vacina.

  Municípios com baixa cobertura vacinal – A maioria dos municípios fluminenses apresenta baixo índice de imunização, mas em alguns a situação é mais preocupante por ainda não terem alcançado nem 20% de cobertura vacinal. São eles: Cardoso Moreira (7,78%), Resende (11,07%), Santo Antônio de Pádua (12,42%), Japeri (18,27%), São Francisco de Itabapoana (16,9%) e São João da Barra (19,92%). Até o momento, a região Centro Sul Fluminense é a que possui a maior cobertura vacinal (61,12%). Enquanto isso, o Médio Paraíba foi a região que menos vacinou: apenas 30,74% do público-alvo foi imunizado.    

  Onze municípios já bateram a meta do Ministério da Saúde – O Ministério da Saúde pretende imunizar 80% do público-alvo deste ano, as meninas de 9 a 11 anos. Os municípios de Búzios, Sumidouro, Duas Barras, Rio das Ostras, Casimiro de Abreu, Bom Jesus de Itabapoana, São Sebastião do Alto e Vassouras já bateram a meta. Macuco, São José de Ubá e Comendador Levy Gasparian já vacinaram mais de 100% do público-alvo.

  Quem deve se vacinar - O cronograma de vacinação deve ser seguido da seguinte forma: a segunda dose deve ser tomada seis meses após a primeira, e a terceira dose cinco anos. Em 2015 a vacina está sendo oferecida para as adolescentes de 9 a 11 anos e, em 2016, às meninas de 9 anos. Para receber a dose, basta apresentar o cartão de vacinação ou documento de identificação. As meninas que não tomaram a primeira dose, a vacina permanece disponível nos postos de vacinação, pois foi incorporada no calendário de imunização do sistema público de saúde. Meninas de 12 a 13 anos que ainda não foram vacinadas devem procurar uma Unidade de Saúde do SUS para tomar a vacina.

Ouvindo RBP AM
Fechar (x)